Cecília Vilas Boas

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

"As coisas mais simples da vida são as mais extraordinárias, e só os sábios conseguem vê-las."
Paulo Coelho

Sol

Hoje está sol, qualquer um se anima.
Penso como seria bom tomar um café a contemplar o mar.
Se fechar os olhos posso até mesmo imaginar, caminhar na areia da praia, o bater das ondas nas rochas, a brisa fresca do mar....
O sol aquece e aconchega....tudo se dilui nesta imensidão....


Braveheart

filme espectacular....


Scene D'Amour

Lindo o Amor, linda a Paixão que aquece os corações no mundo...


MORRO DO QUE HÁ NO MUNDO

Morro do que há no mundo:
do que vi, do que ouvi.
Morro do que vivi.
Morro comigo, apenas:
com lembranças amadas,
porém desesperadas.
Morro cheia de assombro
por não sentir em mim
nem princípio nem fim.
Morro: e a circunferência
fica, em redor, fechada.
Dentro sou tudo e nada.

Cecília Meireles

MAR DE ILUSÃO

Não sabes o que me causaste,
No cerco que me aprisionaste,
Prisioneiro desta paixão.
O estranho mundo que me deste,
Com este sentimento, que fizeste,
Brotar em meu coração.
Quão ingrato é o meu destino,
Ao deixares meus sentidos a pino,
Aguardando rever-te, com a mesma emoção,
De um singelo menino,
Que ao brincar com seu barco albino,
Navega neste imenso mar de ilusão!

Anderson Douglas

SOLIDÃO

É como ver as flores
e não sentir o odor,
é como ver o Sol
e não sentir o calor.
É como estar nas trevas
e não enxergar a luz,
é dirigir a vida
sem saber o que conduz.
É sentir-se um estranho
em seu próprio corpo,
é não ter a certeza
de estar vivo, ou morto.
É se sentir perdido
dentro do próprio quarto,
é sentir-se uma criança
segundos após o parto.
É achar-se único
em todo o mundo,
é acreditar que o corte
foi bem mais profundo.
É sentir maior, o peso,
de cada respiração,
é não querer sentir-se preso
a uma nova paixão!

Anderson Douglas Ribeiro

QUEM SOU EU

Quem sou eu,
Ou o que sou?
Para saber quem sou eu,
Basta saber onde estou.
Estou no mais puro olhar,
Tão fixo, penetrante.
Estou no mais leve afagar
Dos cabelos, pretensioso, mas, cativante.
Estou nas palavras que pronunciam,
Num simples momento de intimidade.
Estou nos pudores que renunciam,
Com tanta freqüência e intensidade.
Estou nos beijos ardentes,
Serenos, ou sufocantes.
Estou nos mútuos movimentos
Dos corpos, ardentemente incessantes.
Estou na respiração ofegante,
No clímax, no auge do ardor,
E é nesse momento, tão importante,
Que me faço presente, na forma de amor!

Anderson Douglas Ribeiro

domingo, 30 de janeiro de 2011

Sad Romance

"A musica é para a Alma o que as palavras são para a Mente"
Modest Mouse


Kiss the Rain

So beautiful...


Prayer

Hush, lay down your troubled mind
The day has vanished and left us behind
And the wind, whispering soft lullabies
Will soothe, so close your weary eyes
Sleep, angels will watch over you
And soon beautiful dreams will come true
Can you feel spirits embracing your soul
So dream while secrets of darkness unfold

sábado, 29 de janeiro de 2011

Nine 1/2 Weeks - slave to love

So beautiful this film, this  music...

Vigilia

Altas horas da noite.
Acordado,
Rememoro o passado,
Analiso o presente
E adivinho o futuro.
Procuro,
Humanamente,
Dar sentido
Ao que fui,
Ao que sou
E ao que serei.
Mas a minha verdade
Não tem a claridade
Da razão.
É esta aflição
Continuada
Que no meu coração
Bate descompassada.

Miguel Torga

Officer And Gentleman - Up Where We Belong

O filme que me fez sonhar


Return to Innocence

Would be so good ...


sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Angustia

Tortura do pensar! Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E não se quer pensar! ... e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de nós ...
Querer apagar no céu – ó sonho atroz! –
O brilho duma estrela, com o vento! ...

E não se apaga, não ... nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga ...
Vem sempre perguntando: “O que te resta? ...”

Ah! não ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"


Freefall

You're out on the ocean
and you get pulled down
Freefall to the bottom
Like when you're drowning or falling asleep
You get turned around
And when you think you're swimming to the surface
You're swimming straight down.
Down to the bottom.
All the way to the bottom

Overture

Pergunto-te onde se acha a minha vida

Em que dia fui eu.
Que hora existiu formada
de uma verdade minha bem possuída

Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada.
E a quem é que pergunto?

Em quem penso, iludida
por esperanças hereditárias?

E de cada pergunta minha
vai nascendo a sombra imensa
que envolve a posição dos olhos de quem pensa.

Já não sei mais a diferença
de ti, de mim, da coisa perguntada,
do silêncio da coisa irrespondida.

Cecilia Meireles


They Made History

Não é Tristeza, é Saudade

Não é tristeza, é saudade,
Não é dor que meu peito invade.
Tristeza é mal destrutivo, negativo,
Saudade é benção, é lenitivo,
Pois só se sente saudade do positivo.
Não é verdade, não creias que te esqueci,
Com as lembranças meu coração aqueci.
Dei um tempo para rever posições
De vida, através de profundas reflexões.
Momentos vacilantes de incerteza,
Que mortal não os tem?
Depois de avaliar meus sentimentos
Ficou patente, do amor, a grandeza,
Que não mediu as conseqüências,
Desabrochou como flor no jardim
E um dia murchou deixando o aroma,
Que até hoje inebria na soledade
Esta mulher que te ama,
Sem esperança, é bem verdade,
Mas não guarda consigo a dureza
Da palavra tristeza,
Que quando chega encontra o antídoto
Preparado com essências da saudade.


Maria Hilda de J. Alão

Infância

Quando penso em ti Amiga, lembro-me dos desejos e esperanças que tinha em criança...transportas-me no tempo, onde consigo ver e lembrar coisas boas..
A minha avó a sorrir, a dar-me conselhos a elogiar-me...
Os passeios com os nossos amigos...
As nossas risadas e cumplicidade...
O tempo do amor e da paixão.
Tudo puro, tudo inocente.


Minha Amiga de infância, tu sabes o quanto significas para mim.
Adoro-te Amiga

OA.S

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Poema da Saudade - Charles Chaplin

"Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios
Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador
Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos
Sorri vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor

Que és feliz"





Charles Chaplin