Pergunto-te onde se acha a minha vida

Em que dia fui eu.
Que hora existiu formada
de uma verdade minha bem possuída

Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada.
E a quem é que pergunto?

Em quem penso, iludida
por esperanças hereditárias?

E de cada pergunta minha
vai nascendo a sombra imensa
que envolve a posição dos olhos de quem pensa.

Já não sei mais a diferença
de ti, de mim, da coisa perguntada,
do silêncio da coisa irrespondida.

Cecilia Meireles


Comentários

  1. Ah, Cecília Meireles! A poesia de Cecília é fascinante.
    Um feliz final de semana pra você.
    Bjs :)

    ResponderEliminar
  2. Nádia, também gosto muito de Cecília Meireles Gosto também muito de Fernando Pessoa, Florbela Espanca, entre muitos outros.
    Bom fim de semana pra você também.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares