Cecília Vilas Boas

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Não te deixarei morrer

(...) E a tua voz ouço-a agora, vinda de longe, como o som do mar imaginado dentro de um búzio. Vejo-te através da espuma quebrada na areia das praias, num mar de Setembro, com cheiro a algas e a iodo. E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas ilusões de que tudo podia ser meu pra sempre. (...)



Trecho do livro Não te Deixarei Morrer, David Crockett, de Miguel Sousa Tavares


Sem comentários:

Enviar um comentário