Cecília Vilas Boas

terça-feira, 29 de março de 2011

Noite por Ti Despida

Adulta é a noite onde cresce
o teu corpo azul. A claridade
que se dá em troca dos meus ombros
cansados. Reflexos
coloridos. Amei
o amor. Amei-te meu amor sobre ervas
orvalhadas. Não eras tu porém
o fim dessa estrada
sem fim. Canto apenas (enquanto os álamos
amadurecem) a transparência, o caminho. A noite
por ti despida. Lume e perfume
do sol. Íntimo rumor do mundo.


Casimiro de Brito, in "Solidão Imperfeita"
 
 



9 comentários:

  1. Sensual e sedutor. Lindo poema.
    Um grand bj

    ResponderEliminar
  2. Oi querida,

    Que lindo...

    ...Não eras tu porém o fim dessa estrada sem fim.

    É sempre complicado quando descobrimos que a pessoa que amamos tanto acabou por não se tornar o fim da nossa estrada...Mas temos que continuar andando... A felicidade está em nunca parar de procurar... Está em seguir em frente sempre.

    Beijos

    Ani

    ResponderEliminar
  3. Nossa!
    Sensacional, adorei mesmo!
    Parabéns!
    Abraços, BeFontana '

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia...
    É lindo! Obrigada pela partilha :))

    ResponderEliminar
  5. É de facto um poema que enche os sentidos.
    Casimiro de Brito é brilhante.

    Gisa, Ani, Sandra, obrigada pela presença.
    São imprescindíveis.

    BeFontana, bem vinda. É com muito carinho que te recebo no meu cantinho.

    OA.S

    ResponderEliminar
  6. Um delicioso poema de uma grande poeta!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Suzana, de facto um magnifico poema de Casimiro de Brito, excelente!

    beijinhos
    OA.S

    ResponderEliminar
  8. o amor nunca vai ser o fim de uma estrada...

    ResponderEliminar
  9. Long Haired Lady, o amor é sempre o inicio de tudo.

    bj
    OA.S

    ResponderEliminar