Cecília Vilas Boas

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Pudesse eu

Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Para poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes!



Sophia de Mello Breyner Andreson

4 comentários:

  1. Querida, gostaria tanto de poder vir mais! Só consigo um tempo quando atualizo o Solidão, aí paro, pelo menos para responder ao carinho que recebo e toda vez que venho, leio os últimos poemas que você postou. Na verdade, gosto infinitamente de te ler... O coração acelera e bate no ritmo das palavras. Um beijo grande minha linda, obrigada por não me abandonar.

    ResponderEliminar
  2. RÉPLICA

    Pudesse eu recuperar laços e limites
    Das mil faces da vida já passada
    Poderia responder aos teus convites
    Sem lágrima suspensa ou derramada

    ResponderEliminar
  3. Sonia, sei que está presente e isso é muito bom para mim...obrigada pela força.
    O seu espaço é maravilhoso e cheio de sentimento, adoro passar por lá.
    beijo do coração
    oa.s

    ResponderEliminar
  4. Rogério, Sophia Andreson deixa-nos suspensos, na leveza dos seus poemas.
    oa.s

    ResponderEliminar