Cecília Vilas Boas

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

infinito amor...


Como nos céus
Existe em mim um infinito
Uma sede de ti
Uma angústia que permanece além do tempo
Vivo a intensidade do amor
Aquele que conheci
E a tormenta da saudade
Já nem sei bem o que sinto
As memórias dão colo às aves
Sei agora porque lhes dói o ser
Vivo de ilusões
Aquelas que o mundo não tem
Como queria não tentar compreender
Como desejava ser apenas razão!


Cecília Vilas Boas
~

michal lukasiewicz


11 comentários:

  1. Amiga Cecília, passando por aqui para apreciar tua arte. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

    ResponderEliminar
  2. "Ser só razão" Vou refletir por um bom tempo sobre esse trecho de sua linda poesia! abração

    ResponderEliminar
  3. Não ser apenas razão, leva-nos muitas vezes ao sofrimento. Mas ser apenas razão, seria viver a vida com frieza e sem emoções.
    O teu poema é excelente, gostei muito.
    Boa semana, minha querida amiga Cecília.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. As memórias. Os sonhos. A emoção. Tudo num poema que as aves têm no colo...
    Belo!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. A excelência dos teus Poemas sobressai. O Amor é, simultâneamente, alegria e sofrimento.
    Parabéns, Cecília.


    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  6. A saudade, por vezes, acorrenta...
    Muito belo, Cecília!

    Um beijo :)

    ResponderEliminar
  7. Cecília,
    Maneira tão bela que tem o seu poema de descrever a tormenta do sentimento.

    bjn

    ResponderEliminar
  8. Preciosos.Que nunca nos falte el amor..
    Un beso.

    ResponderEliminar
  9. I really appreciate your professional approach. These are pieces of very useful information that will be of great use for me in future.

    ResponderEliminar