onde moram as aves...

Trazem uma história na voz
E o mirante no olhar
Pedra sobre pedra
Anéis de ventos
Onde moram as aves
Cantam palavras clandestinas com tempo habitado
E pelas frestas da voz
Ressoa esperança e caminhos que ousam confiar
Renascem memórias
Compõe-se o silêncio
E a palavra amacia os lábios
E as sílabas do espaço que é de todos
Ditam-se pedaços de sentires sem pontuação
Nada é definitivo, apenas a vida que o tempo escreve
As asas das aves não se confundem com o céu
Nem os cânticos com o vulgar
São páginas de letras intensas onde o corpo acaba por adormecer.

Cecília Vilas Boas
(a editar)



Comentários

  1. E pelas frestas dos teus versos
    (que reli em voz alta)
    Ressoa esperança e caminhos que ousam confiar

    ResponderEliminar
  2. Alimento pra alma!
    Um feliz final de semana, Cecília.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Querida Cecília
    E, quando editar, terá enorme sucesso!
    Parabéns.Gostei bastante.
    Um beijinho
    Beatriz
    VIDA E PENSAMENTOS

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares