Cecília Vilas Boas

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

sussurros de ti...

Domas os ventos com carícias que chegam a mim…
Ao cair da noite, ouço, no meu silêncio,
O sussurrar dos sonhos que contam de ti
Teço fios de esperança no verde dos meus olhos...
A minha janela, debruada a açucenas, deixo-a sempre aberta
Para que o pássaro, portador de palavras, possa entrar
Vislumbro-o, envolto no cantar melodioso das estrelas
Pousa, plácido, no parapeito do desejo
Traz em suas asas o teu olhar meigo, que beija o meu
E no recato do quarto, o nosso
Pinto de nenúfares o teu abraço,
Recrio, no leito dos sonhos, o teu corpo
Nas sílabas do silêncio escrevo-te sempre…
No rendilhado lilás do luar, cultivas em mim o fascínio de ti.

Cecília Vilas Boas


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

para o meu ser...



Desvenda o teu rosto, sem medos ou inquietações!
Permite que conheçam os teus olhos, contempladores de
estrelas
As mãos onde nascem paisagens bucólicas
A avidez com que escreves dos sonhos que em ti conténs!
O sol nasce, a brisa corre, convidativa…
Adorna o teu espirito com organza e fitas de cetim
Solta as amarras cinza, veste-te de seda selvagem
Sente o beijo sôfrego,  a boca húmida do orvalho matinal
Voga na claridade que esventra as entranhas do teu ser!
Permite que a luz ilumine o teu tempo,
Neste tempo que se faz urgente...
Liberta-te, para te encontrares!


Cecília Vilas Boas




Lena Sotskova